Emagrecer no Inverno é Possível!

Durante o inverno os hábitos em geral se modificam. Um dos mais contundentes e perigo para quem deseja manter o corpo sarado é o da alimentação. Neste período adotamos o hábito de consumir alimentos mais calóricos. Portanto nada mais natural que você imaginar que jamais vai conseguir emagrecer no inverno. Por mais paradoxal que possa parecer, o inverno que é a estação mais fria do ano também se presta muito bem para perder peso, portanto você pode emagrecer no inverno sim.

 Nestes dias mais frios, se torna natural que o corpo humano queime mais calorias para se manter aquecido. Mas apesar disso, desde que você tome alguns cuidados com a alimentação e com o seu corpo é possível sim emagrecer no inverno, de forma lenta e saudável.

Ocorre que a sensação de bem estar e conforto que estes alimentos calóricos nos causam no inverno faz com que se exagere nas quantidades consumidas.

Além disso as festas regionais desta época e o fato de nos movimentarmos muito pouco vão influir de forma decisiva no fato de que quando subirmos na balança, vamos sentir os efeitos de toda esta mudança. Vamos frustrar nosso desejo de emagrecer no inverno ganhando peso.

Veja abaixo algumas dicas de como emagrecer no inverno

O que evitar para poder emagrecer no inverno

emagrecer no inverno

#Dica 1

– A primeira dica é evitar alimentos industrializados, doces, massas e frituras, pois favorecem o acúmulo de gorduras no organismo. É comum na estação o aumento do consumo de bebidas alcoólicas, como vinho e whisky, para manter o corpo aquecido, o que a nutricionista considera um “mito”. “A vasodilatação provocada por esses drinks provoca justamente o contrário, passando uma falsa sensação de aquecimento, mas não aumenta a temperatura corporal”.

#Dica 3

O que consumir com frequência – Chás e bebidas quentes à base de cafeína são excelentes opções para emagrecer no inverno, pois diminuem a sonolência, mantêm o corpo aquecido e hidratam o organismo. Para quem deseja perder peso, a nutricionista sugere o chá verde e o de hibisco.

Para quem precisa de uma refeição sólida, caldos podem servir de entrada, auxiliando na saciedade. Sopas e ensopados são outras alternativas para reduzir a ingestão calórica e desintoxicar o organismo.

Canela, farinhas termo gênicas, gengibre e pimenta são alimentos, que quando acrescentados à dieta, aceleram o metabolismo e colaboram para a queima de gorduras.

Pratique atividades físicas: se o seu objetivo é emagrecer, praticar exercícios deve estar na lista de prioridades do seu “projeto inverno”, e a boa notícia é que essa época é a ideal para isso.

#Dica 3

Atividades físicas – A manhã costuma ser o melhor turno para a realização de exercícios físicos. Neste período do dia, a umidade relativa do ar está mais alta, assim como a qualidade dele, o que melhora a respiração.

É importante vestir roupas leves que mantenham o corpo aquecido e, ao mesmo tempo, sejam confortáveis para a realização dos movimentos da atividade física.

Então não espere mais, adote imediatamente uma dieta mais cuidadosa e também a pratica de exercícios. No que se refere aos exercícios, quero te indicar um artigo que encontrei em um  site bem interessante, que fala sobre a prática de exercícios de alta intensidade. Nele você vai encontrar muitas informações sobre Treinos de Alta Intensidade, que com certeza vão te auxiliar na tarefa de conseguir emagrecer no inverno. Boa sorte.

 

Diabetes – Trate Corretamente

Foi divulgado, na semana passada, no site da Sociedade Brasileira de Diabetes(SBD), o novo número de pacientes com este mal no Brasil: 12.054.827. Os dados são resultado da atualização dos números do Censo de Diabetes, do final da década de 80, baseado no Censo IBGE 2010.

Esse número deve ser divulgado, e se tornar um tipo de referência para os pacientes com diabetes no Brasil.

A informação sobre quantos brasileiros apresentam este mal é de grande relevância para compreender a situação atual da nossa população, mas, acima de tudo, planejar o futuro visando prevenir o “anunciado” agravamento da situação”.

Este agravamento é, em grande parte, atribuído ao moderno estilo de vida que aumenta a adiposidade corporal.

Mesmo a população consciente de ter esta doença, boa parte não faz o tratamento de forma adequada e apenas 10% dos portadores do tipo 1 têm controle ideal da glicose, enquanto 26,8% das pessoas com diabetes tipo 2 estão controladas. O percentual, baixíssimo, têm relação com a falta de informação sobre a doença.

Diabetes  – Educar-se sobre diabetes é importante

 

Diabetes – Trate Corretamente

A educação em diabetes é fundamental para que o paciente possa ter boa qualidade de vida. Muitos não são informados sobre os benefícios do tratamento, têm medo da insulina e desistem se, por exemplo, já nos primeiros dias de tratamento insulínico sofram de hipoglicemia.

 Há ainda a vergonha de injetar a insulina em público e o desafio de aplicar, todo dia, na mesma hora.

Diabetes  – Importância do Controle

Diabetes – Trate Corretamente

O controle de glicemia em pessoas com diabetes é considerado normal quando o percentual de glicose nas hemoglobinas é inferior a 7%. Porém, a variabilidade glicêmica elevada (quando os níveis de glicose oscilam em hipoglicemia e hiperglicemia) também deve ser observada

Pouco se fala sobre o perigo da hipoglicemia, que pode causar distúrbios cardiovasculares, demência, danos cognitivos e até morte súbita.

Diabetes – Sobre a Insulina

A insulina é um dos hormônios produzidos pelo pâncreas, que facilita a entrada de glicose no interior das células. Quando não produzida, deve ser aplicada no organismo. No tipo 1, o pâncreas não produz insulina; no tipo 2, a produção é insuficiente ou a insulina age inadequadamente. 

 

Diabetes  – Mudar com Exercícios Um Caso Real

Diabetes – Trate Corretamente

Diagnosticado com diabetes tipo 1 há 21 anos, Emerson Bisan, hoje com 42, transformou a doença em um novo caminho: tornou-se ultramaratonista e, desde então, correu mais de 68 maratonas (sete delas de 217 quilômetros). Além de melhorar a autoestima, o corredor — que também é formado em educação física — destaca os benefícios da atividade física para um portador desta doença.

No caso do tipo 2, é uma das partes do tratamento, já que o exercício diminui a resistência à insulina. E, de um modo geral, a atividade melhora a parte circulatória e a carga de insulina é dosada com o nível de atividade que a pessoa faz.

Para que não haja um quadro de hipoglicemia durante as atividades — quando o gasto calórico é maior que a reposição de nutrientes —, o educador físico alerta:

— É preciso conhecer a duração e tipo de ação da insulina que está tomando, para o pico não culminar com o momento da atividade física.

Diabetes  – Mitos e Verdades

 

Diabetes – Trate Corretamente

Todo portador desta doença, deve ficar atento a todas as questões aqui descritas e mesmo se não for um portador, visitar regularmente seu médico para uma avaliação. Com diabetes não se brinca…

Creatinina, Benefícios Para o Exercício Físico

O uso da creatinina como suplemento é intenso nos nossos dias, principalmente pelas pessoas que praticam o fisiculturismo. Esta substância ajuda a construir músculos maiores e mais fortes. Ela ajuda a melhorar o treinamento com pesos e também aumentar os níveis de energia de modo que os exercícios podem ser mais intensos e, portanto, com mais ganho.
A creatinina como suplemento, pode proporcionar melhora da qualidade do treino e da competição, auxiliando na força e explosão, e ainda na hipertrofia muscular.

Por isso, a creatina é indicada para atletas e esportistas que praticam esportes intensos e de curta duração ou intervalados, como: musculação, crossfit, futebol, lutas, natação ou corrida de curta distância e alta intensidade.

O que é a Creatinina?

creatinina

Creatinina é uma substância derivada do metabolismo da creatina, uma proteína presente nos músculos.

A creatinina é eliminada pelos rins e um aumento do nível de creatinina no sangue pode indicar piora da função renal.

A creatinina está naturalmente presente no organismo, sendo que uma quantidade muito pequena é reabsorvida após ter sido filtrada.

A quantidade de filtrado produzido pelos rins depende do volume de sangue que passa pelos glomérulos e da capacidade de filtrar que eles possuem.

Uma vez que a creatinina é produzida, principalmente, como resultado do metabolismo da creatina muscular, sua produção é diretamente proporcional à massa muscular.

Assim, espera-se que a produção de creatinina seja maior nos homens do que nas mulheres, bem como nos jovens quando comparados aos idosos.

Confira 4 motivos para incluir a creatina na sua dieta 

Função ergogênica

A creatina é o suplemento nutricional com maior potencial ergogênico disponível para atletas, ou seja, atua na melhora do desempenho esportivo e da recuperação após o exercício pois é geradora de energia. Mostra-se eficaz em exercícios de alta intensidade e curta duração.

Ganho de massa muscular

A suplementação de creatina pode estar relacionada ao ganho de massa corporal magra por 2 vias – sua concentração poderia levar a um aumento de água intramuscular e, consequentemente, da massa corporal; quando associada ao treinamento de força, a creatina pode aumentar as fibras musculares em resposta ao treinamento, diz Fernanda.

Controle neuromuscular

A suplementação de creatina tem demonstrado aumentar a força e a potência de indivíduos com diversas doenças neuromusculares, como distrofias musculares e mitocondriopatias, por aumentar o conteúdo muscular total.

Depressão

A creatina tem sido associada ao tratamento da depressão por aumentar ou melhorar a performance do metabolismo energético de áreas hipoativas. Em pacientes com depressão, a concentração de creatina cerebral parece se encontrar em níveis baixos.

Espero ter te auxiliado em tuas dúvidas sobre a creatinina…deixe um comentário..até o próximo artigo.

 

Frutose Faz Mal Para Diabéticos?

As frutas se caracterizam por serem ótimas opções para quem está praticando uma dieta ou quer seguir uma alimentação saudável.  As frutas contêm frutose, um açúcar natural que pode provocar picos de glicemia nas pessoas que têm diabetes.

Será que a frutose faz mal mesmo  aos diabéticos?

frutose

A resposta é SIM, principalmente se passar a usar a frutose diariamente como substituto de outros açúcares.

A frutose é o açúcar que se encontra na fruta. Pode ser usada isoladamente para colocar em bebidas e sobremesas ou pode já fazer parte dos alimentos industrializados.

A frutose tem efetivamente um comportamento diferente da sacarose, pelo que permite um aumento de açúcar no sangue de forma mais lenta. Porem,  não deixa de ser um açúcar, de se comportar como tal e que por isso se faz necessário ingeri-la com moderação.

As consequências que vamos referir dizem respeito, não às quantidades que se ingerem pela fruta, mas sim a excessos de quantidade provenientes da utilização da frutose no café, e chá e da ingestão de produtos industrializados (compotas, bolachas, sobremesas, barras de cereais…) com frutose nos ingredientes.

Consequências do excesso de frutose:

– Altera o metabolismo dos hidratos de carbono;
– Pode aumentar o risco de cancro do pâncreas;
– Aumenta a resistência à insulina;
– Aumenta o stress oxidativo;
– Altera o sistema de recompensa cerebral podendo levar a maior ingestão de doces;
– Aumenta o colesterol e os triglicerídeos;

Mas de acordo com o Instituto Americano de Diabetes e Doenças Digestivas e Renais (NIDDK), o consumo de frutas é saudável para as pessoas que têm diabetes.

Os diabéticos devem ter uma dieta equilibrada, que forneça energia suficiente e ajude a manter o peso. Apesar de algumas frutas serem ricas em frutose, como a manga, mas podem ser incluídas no cardápio desde que controle a quantidade que ingere.

Além disso,  as frutas contêm fibras, especialmente as que têm casca ou polpa comestível. Uma dieta rica em fibras é muito importante para os diabéticos, já que pode controlar os níveis de açúcar no sangue.

No entanto, é importante considerar a forma como são preparadas. As frutas frescas ou congeladas são melhores do que as processadas, conservadas em lata ou frasco.

As processadas são absorvidas mais rapidamente pelo corpo, aumentando o nível de açúcar no sangue. Além disso, no processo de preparação, perdem os nutrientes, incluindo vitaminas e fibras.

O NIDDK recomenda que as pessoas com diabetes evitem beber sucos de fruta com adição de açúcar ou frutas enlatadas.

Índice Glicêmico – Níveis desejados

Você deve ficar atento ao índice glicêmico (IG) – de 0 a 100 – de cada fruta para conseguir controlar melhor os níveis de açúcar no sangue.

As frutas com IG baixo (menor que 55): maçã, abacate, banana, cereja, kiwi, laranja, pêssego, morango, ameixa e peras. As de IG médio (entre 56 e 69): figo, melão, papaia e abacaxi. E as de IG alto (70 ou mais): tâmaras e melancia.

Gostou das Dicas? Elas te foram úteis???? Então até o próximo artigo